sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A Freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Campo Grande

Durante os períodos colonial e imperial do Brasil, o país possuiu uma subdivisão denominada freguesia. Nesse período, a igreja católica era a religião oficial do Brasil. Assim, em resumo, freguesia correspondia a um local com uma paróquia e áreas adjacentes, ou, freguesia = paróquia. A criação de uma freguesia era "a prova material da existência de um núcleo populacional de certa importância". (Revista IHGB, vol. 288, p. 194). Não fugindo à regra, o bairro de Campo Grande teve sua origem vinculada a uma criação de freguesia: a freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Campo Grande.
Atualmente localizada no centro do bairro, em uma pequena elevação, a igreja matriz de Nossa Senhora do Desterro teve sua origem como capela em 1673, nas atuais terras de Bangu, por iniciativa do padre Francisco da Silveira Dias. No século XVIII, foi construída a atual, em estilo barroco colonial brasileiro, dando-se a fundação da paróquia em 12 de janeiro de 1755 (alguns historiadores apontam 1757).
Em 1882, a igreja foi destruída por um incêndio, sobrando pouco mais que as paredes. Graças aos esforços do padre Belisário dos Santos (1821 - 1891), com seus recursos e com a ajuda dos fazendeiros e outras pessoas de Campo Grande, ela foi reconstruída. Segundo Fróes e Gelabert (2004: 97-98) "foram chamados os bombeiros da Corte e organizado um trem especial pra trazê-los. Este levou 40 minutos para chegar em Campo Grande, vindo da estação D. Pedro II. Após o desembarque do material, não houve como fazê-lo chegar a tempo à matriz, posto que os carros (puxados por animais) ficaram presos no areal existente na Rua da Matriz, depois da estação, hoje, Rua Augusto de Vasconcelos". Detalhe: atualmente, por ironia do destino, encontra-se um Corpo de Bombeiros bem próximo da paróquia. Padre Belisário foi nomeado vigário de Campo Grande, onde permaneceu de 1.846 a 1.891.
No período de desativação da matriz, as atividades da paróquia foram realizadas na igreja de Santo Antônio em Juary, na atual Avenida Cesário de Melo. Depois de seu falecimento, o vigário Belisário dos Santos foi enterrado no cemitério que se situava em frente à matriz, hoje pertencente à prefeitura do Rio de Janeiro. 
Tratando-se de um símbolo histórico importantíssimo do bairro, a igreja de Nossa Senhora do Desterro desperta interesse de preservação por parte da população local. A partir do ano 2000, a igreja e seu entorno (a praça Dom João Esberard) sofreram modificações, como restauração do telhado, novo jardim e iluminação, entre outras intervenções, com o objetivo de manter vivo um dos grandes símbolos da história do bairro.

4 comentários:

  1. Obrigado, Wallace. Espero que curta todos os artigos sobre nosso bairro.

    ResponderExcluir
  2. Que linda historia .Tem que escrever mais sobre Campo grande.

    QUE TAL UMA EXPOSIÇÃO EM UMA BOA LOCALIZAÇÃO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Márcio. Pretendo expor sim. Se souber de algo, pode me comunicar. Um abraço.

      Excluir